quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Olavo de Carvalho sobre a formação intelectual do brasileiro.

“No Brasil há uma hostilidade ao espírito, à inteligência, à consciência. Veja, com quantos alunos eu já não tive essa experiência: o sujeito começava a estudar essas coisas e daqui a pouco ele sentia que estava ficando deslocado do seu ambiente entre os amigos, e começava a sofrer! E daí eu perguntava: “mas, escuta, por que é que você quer continuar amigo deles? Qual é o motivo? Quer dizer, você acha que um homem pode realmente seguir uma carreira de estudos, enfiar um monte de idéia na cabeça e continuar convivendo igualzinho com ignorante?! Que milagre você quer? Isso nunca aconteceu! Então, se você adquirir uma cultura, bom, você tem que procurar amigos mais cultos, ou então ficar sem ninguém – isso é a coisa mais óbvia. Agora, pro brasileiro não, ele quer continuar, 'ah, mas a garotada do bairro, a turma do time de futebol de salão, a turma do clube...'

Você imagina São Tomás de Aquino, ele saindo lá de Roccasecca, na puta que o pariu, e vai andando até a Universidade de Paris pra ser professor, e daí lá ele fica pensando ‘ah, mas o que é que a turma de Roccasecca vai pensar de mim...’ Não é possível um treco desses, porra! Esqueça o raio da Roccasecca, porra! Quer dizer, é esse atavismo, em que o sujeito tá grudado ali no bairro, na turminha, na namoradinha... O sujeito já nasce velho com saudade do seu próprio passado! Você tem uma vida pela frente pra fazer coisas, desbravar territórios, fazer coisas maravilhosas, e fica pensando nessa porcaria?! E ainda quer que eu o console?! Você sabe o que você faz com seus amigos? Manda tudo a puta que os pariu, pronto... esquece isso.

Os escolásticos já defendiam a amizade com a fórmula latina 'idem velle, idem nolle', que quer dizer: amigo é o sujeito que quer a mesma coisa que você e rejeita a mesma coisa que você. Esse é seu amigo e seu companheiro. Então você tem algo a fazer com ele, agora, se não tem nada, então é um conhecido, ao qual você pode dar toda simpatia, mas não pode esperar nada – você poder dar, não pode esperar! A gente deve ser bom com todo mundo: simpático, prestativo, com todo mundo, com um mendigo que te pára na rua, mas você não vai poder esperar manifestações afetivas dele, meu Deus do céu! Você não pode precisar dele. Agora, essa fraqueza, essa moleza afetiva brasileira, essa covardia, isso aí mata qualquer carreira intelectual. Querer conservar todos os amiguinhos de infância, a turminha do bairro, vai querer jogar bolinha de gude, brincar de carrinho de rolimã... qual é?!”

Um dos melhores conselhos que já ouvi do prof. Olavo de Carvalho

Um comentário: