sábado, 17 de agosto de 2013

Fim dos Tempos: canibalismo na Coreia do Norte

Relatos sobre pais devorando os próprios filhos são o assunto do momento no noticiário internacional


Da Redação / Imagens: Thinkstock
redacao@arcauniversal.com


A pobreza pela qual passa o povo norte-coreano, enquanto seu egocêntrico ditador Kim Jong-un refestela-se em luxuosos banquetes e gasta bilhões em armamentos, não é exatamente uma novidade. Desde a Guerra da Coreia, na década de 1950, essa é a realidade. No entanto, relatos assombrosos tomam conta do noticiário internacional nos últimos dias, após a pausa que o atentado terrorista na Maratona de Boston causou quanto às ameaças da Coreia do Norte à do Sul e aos Estados Unidos.

Esses relatos dizem que norte-coreanos apelaram para o canibalismo, a fim de debelar a fome. Jornais internacionais afirmam, inclusive, que adultos chegam a devorar os próprios filhos.

O primeiro periódico a evidenciar o fato foi o britânico The Sunday Times, numa compilação de matérias feitas pela agência de notícias japonesaAsia Press – segundo a agência, seus “correspondentes” nesse caso são moradores locais que coletam as informações, como repórteres amadores.
Sunday Times diz que um homem foi fuzilado por ter matado e comido seus dois filhos em um “ataque de fome”. Em outro caso macabro, um idoso exumou o cadáver do próprio neto pouco após o enterro e o canibalizou. Um terceiro cidadão teria feito um cozido do próprio filho.
A agência asiática compilou 12 páginas de relatos sobre canibalismo coletados. Informações sobre mais casos continuam a chegar. Especula-se que mais de 10 mil pessoas morreram de fome no país em 2012.
O jornal francês Le Figaro, no ano passado, noticiou que uma organização sul-coreana publicou um relatório sobre a execução de três pessoas da Coreia do Norte, pelas autoridades, por canibalismo.
“Carne humana é bem melhor”
Um dos relatos mais impressionantes colhidos pela mesma organização da Coreia do Sul é o de uma mãe presa em 2007 por ter devorado a própria filha, de 9 anos. A mulher teria dito que enlouqueceu por causa da extrema fome, e que “a carne humana é bem melhor que a carne de porco”. A cidadã que apelou à antropofagia mostrou o nível da desesperança, sem falar no do desespero: “Já que todos vamos morrer de fome de qualquer jeito...”
O governo norte-coreano, por meio de seu Instituto de Unificação Nacional, se pronunciou sobre promover investigações acerca do canibalismo – admitindo oficialmente a existência da prática do canibalismo em seu território.

Cenário apocalíptico
A Coreia do Norte faz jus às piores imagens citadas por João em Apocalipse. Nem mesmo o laço familiar é respeitado, e a fome se faz presente, provocando a loucura que faz pais devorarem os próprios filhos que deveriam proteger.
Em regimes fechados como o de Kim Jong-un, as informações sobre situações críticas sempre são suavizadas. O quadro real deve ser bem pior do que os cavaleiros apocalípticos da Guerra, da Fome, da Peste e da Morte vagando livremente sobre as vidas dos cidadãos já massacrados pela ditadura. Por isso mesmo, para uma prática escandalosa como a antropofagia tornar-se pública mesmo além da versão norte-coreana da cortina de ferro, é porque a coisa vai bem pior do que sabemos.
Se até mesmo o amor de um pai e de uma mãe pelos filhos se esfria a ponto de familiares se devorarem como animais, não podemos duvidar de que o fim dos tempos já bate à porta.
O Estudo do Apocalipse – reunião ministrada pelo bispo Edir Macedo todos os domingos, às 18h, no Cenáculo do Espírito Santo de Santo Amaro, na Avenida João Dias, 1.800 – trata não só das profecias bíblicas que já falavam dessas hediondas práticas, mas também de como podemos estar prontos para o arrebatamento e a Salvação. A reunião é transmitida para outros templos da IURD via teleconferência, pela IURD TV, na internet, e pela Rede Aleluia, no rádio (99,3 FM).